Audiência na Comissão de Ambiente sobre a Mina do Barroso
BOTICAS, 2020-06-19 18:21:24


O Presidente da Câmara Municipal de Boticas, Fernando Queiroga, juntamente com a Presidente da Junta de Freguesia de Covas do Barroso, Lúcia Dias Mó, a Presidente do Conselho Diretivo dos Baldios de Covas do Barroso, Aida Fernandes, e o representante da Associação Unidos em Defesa de Covas do Barroso, Nélson Gomes, foram recebidos esta quinta-feira, dia 18 de junho, em audiência na Assembleia da República pela Comissão de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território, na sequência de uma petição apresentada pela população de Covas do Barroso a propósito da Mina de Lítio.

Nesta audiência, o Presidente da Câmara e os representantes da população tiveram oportunidade de apresentar os seus argumentos e manifestarem as preocupações relativas a uma possível exploração de lítio, elencando de forma detalhada as questões que continuam por resolver e por esclarecer junto da população, sensibilizando para a situação que se vive em Covas do Barroso os elementos da Comissão, na ocasião coordenada pelo deputado do PSD eleito pelo distrito de Vila Real, Luís Leite Ramos, e onde participaram também também os outros quatro deputados eleitos pelo distrito (Cláudia Bento e Artur Soveral Andrade – do PSD, e Ascenso Simões e Francisco Rocha, do PS), bem como outros deputados em representação do PS (Ana Maria Silva, Joana Bento e Joaquim Barreto), PCP (Duarte Alves), PEV (Mariana Silva), BE (Nélson Peralta) e a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira.

Na sua intervenção perante os deputados, Fernando Queiroga deixou bem claro que “com os dados que a Autarquia dispõe, o nosso parecer é desfavorável e somos liminarmente contra a exploração de lítio no Concelho”. O Presidente da Câmara subordina esta posição a um conjunto de questões de caracter ambiental, “com todos os problemas que a exploração acarreta, nomeadamente ao nível da poluição, do ruído e do impacto ambiental, que poderá ter influências diretas na classificação de Património Agrícola Mundial deste território”, atribuída pela FAO há pouco mais de dois anos. A propósito, Fernando Queiroga refere ainda o problema quer da contaminação das águas subterrâneas, quer do “esgotamento” do recurso hídrico do rio Covas, para assegurar o processamento do material da Mina, lembrando que “esta situação entronca em problemas tanto mais preocupantes se tivermos em conta que a construção de uma quarta barragem na região pela Iberdrola foi inviabilizada pelo aparecimento, precisamente neste rio, de uma espécie rara de mexilhão do rio, o margaritifera margaritífera”.

Ao mesmo tempo, o Presidente da Câmara sublinha ainda que “todo este processo foi tudo menos claro, nunca tendo existido qualquer preocupação por parte da empresa [Savannah Resouces] em falar verdade à população, tendo sempre a cobertura da Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG)”. Fernando Queiroga vai ainda mais longe ao referir que “é desconhecida a área de exploração incluída no Estudo de Impacto Ambiental (EIA) apresentado pela Savannah há cerca de duas semanas [e do qual nem a Câmara nem a população têm conhecimento], uma vez que a área de prospeção e pesquisa é de 542 hectares, mas ao que se conseguiu apurar houve um pedido adicional de mais 72 hectares, que estarão incluídos no EIA.

Argumentando que “por muitas riquezas que o Concelho de Boticas possa ter o mais importante serão sempre as pessoas”, o Presidente da Câmara mostra-se “estupefacto” que “apesar de tanto se propalar o desenvolvimento socio-económico do interior do país e em concreto desta região, nunca o Governo avançou com nenhum programa para alavancar este território, nem sequer são criadas mais valias que permitam outra qualidade de vida às populações”. Fernando Queiroga questiona ainda o facto de ter sido produzida nova legislação relativa à exploração mineira – que ainda não foi publicada nem se encontra em vigor – da qual as concessões atribuídas anteriormente [como é o caso da Mina do Barroso] ficam de fora, numa espécie de “regime de excepção”, sublinhando que até o retorno económico e os dividendos [vulgo royalties] deste investimento são “perfeitamente ridículos”, o que o leva a concluir que, “dando seguimento a este projeto/investimento, o nosso território ficará irremediavelmente despovoado e destruído”.

No final da audiência, na qual houve ainda tempo para responder a algumas questões colocadas pelos deputados, o Presidente da Câmara agradeceu a solidariedade e compreensão manifestada por todos, rematando que “não somos contra a Mina apenas porque sim, mas porque vai simplesmente destruir o nosso Concelho”.



Tags

Comissão Municipal de Defesa da Floresta   Semana da Leitura   B.V.B   Defesa da Floresta   Confraria   Vespa das Galhas do Castanheiro   Fernando Queiroga   Obras   Natal   Autarquia   Tempo   PIICIE   Dia da Mulher   Quinta do Cruzeiro   Património Agrícola Mundial     Ecomuseu   Boticas Parque   CIM do Alto Tâmega   Educação  

Últimas

Presidente da Câmara representou ANMP em reunião do IEFP

Presidente da Câmara representou ANMP em reunião do IEFP

ARS Norte confiante com evolução favorável da pandemia

ARS Norte confiante com evolução favorável da pandemia

Mais um grupo de Bombeiros vacinado contra a covid-19

Mais um grupo de Bombeiros vacinado contra a covid-19

Campanha Floresta Segura 2021 | Ações de Sensibilização no Concelho de Boticas

Campanha Floresta Segura 2021 | Ações de Sensibilização no Concelho de Boticas

Sessão de Esclarecimentos sobre os Censos 2021

Sessão de Esclarecimentos sobre os Censos 2021

Assembleia Municipal de Boticas reuniu em sessão ordinária

Assembleia Municipal de Boticas reuniu em sessão ordinária

Alto Tâmega | Novos horários dos Transportes Públicos de Passageiros

Alto Tâmega | Novos horários dos Transportes Públicos de Passageiros

Balanço da XXIII Feira Gastronómica do Porco

Balanço da XXIII Feira Gastronómica do Porco