Um dos mais belos patrimónios agrícolas mundiais está no Barroso
BOTICAS, 2018-05-03 12:28:28



Vídeo


A Região do Barroso, constituída pelos Municípios de Boticas e Montalegre, foi recentemente distinguida como Património Agrícola Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Este território passou a ser a primeira região do país e uma das primeiras a nível europeu a conseguir alcançar tal feito.

A entrega dos certificados aos novos sítios GIAHS (Global Important Agricultural Heritage Systems) aconteceu no passado dia 19 de abril, na sede do departamento da ONU, em Roma, e contou com a presença dos Presidentes da Câmara de Boticas e Montalegre, Fernando Queiroga e Orlando Alves, respetivamente, de um representante do Governo de Portugal, e do Secretário-geral da ADRAT, António Montalvão Machado.

A representação dos dois concelhos barrosões em Roma primou também pela demonstração de alguns produtos de excelência existentes nesta região, como por exemplo, o presunto, mel, chás e infusões, licores, enchidos, doces, bolachas, vinho dos mortos, água de Carvalhelhos, entre outros.

O Presidente da Câmara Municipal de Boticas, Fernando Queiroga, acredita que “com este reconhecimento mundial, a Região do Barroso vai conquistar um novo impulso e, consequentemente, ser mais valorizada.”.

“Esta distinção faz com que, a partir de agora, tenhamos responsabilidades acrescidas no que diz respeito não só à valorização e preservação deste território, mas também à proteção das pessoas que nele vivem.”, salientou o autarca. 

Esta distinção é o culminar de um processo iniciado em 2016, cuja candidatura foi elaborada pela Associação de Desenvolvimento da Região do Alto Tâmega (ADRAT) e formalizada junto da FAO pelo Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural. Este processo contou também com o envolvimento das câmaras municipais de Boticas e Montalegre, e de duas instituições de Ensino Superior, a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e a Universidade do Minho (UM).

Na base desta distinção encontra-se o sistema agro-silvo-pastoril do Barroso, um importante método de proteção e promoção do património agrícola, sustentado pela preservação da agricultura tradicional e conservação do meio ambiente, em especial, as paisagens.

Esta certificação visa alertar para a importância de proteger os bens e serviços sociais, culturais, económicos e ambientais, promovendo uma abordagem que alia a agricultura sustentável ao desenvolvimento rural.

Desde 2016 já foram certificados como Sistemas Importantes do Património Agrícola Mundial, 14 novos lugares.

À semelhança dos outros sítios anteriormente declarados, entre os novos sistemas destacam-se aqueles que mantêm hábitos agrícolas tradicionais, que promovem a sustentabilidade, salvaguardam a biodiversidade e protegem o meio ambiente, ao mesmo tempo que apoiam o desenvolvimento social e económico das comunidades locais.

Os sítios distinguidos a nível mundial são lugares classificados como deslumbrantes e que transformaram as paisagens de cada país em autênticas obras de arte. Particularidades que valorizam e protegem não só o modo de vida das pessoas, mas também a produção sustentável de alimentos.

Os 14 sítios designados de GIAHS são o Oásis de Siwa (Egipto); o Sistema agrícola das “Chinampas” na zona Património Mundial, Natural e Cultural da Humanidade de Xochimilco, Tláhuac e Milpa Alta (México); o Sistema composto “Zhagana” de agricultura, silvicultura e criação de animais (China); o Sistema de diques de amoras e lagos de peixes em Huzhou - Zhejiang (China); o Sistema tradicional de gestão de água para o cultivo sustentável de arroz, Osaki Kodo (Japão); o Sistema agrícola em encostas íngremes, de  Nishi-Awa (Japão); o Sistema tradicional de produção de chá Hadong, em Hwagae-myeon (República da Coreia); o Sistema agrícola do Vale Salado de Añana (Espanha); o Sistema de produção de uvas passas em La Axarquía – Málaga (Espanha); o Sistema de irrigação com depósitos comunitários em cascata, em áreas secas (Sri Lanka); os Campos de arroz em plataforma, nas zonas montanhosas e com colinas do sul (China); o Sistema tradicional de amoreiras no antigo leito do rio Amarillo em Xiajin (China); o Cultivo tradicional de wasabi em Shizuoka (Japão) e o Sistema de agricultura, silvicultura e pastoreio do Barroso (Portugal).

Tags

Chegas de Bois   ANMP   Rali   Livros / Lançamentos / Feiras   Casas do Conhecimento   Dia do Homem   Cultura Popular   Boticas Parque   Corrida de Abril   Município de Boticas   Dia da Mulher   CPCJ   Natalidade   Documentário   CEDIEC   Defesa da Floresta   Obras   Boticas Fashion   Natal do Idoso   Juventude  

Últimas

Casa do Conhecimento de Boticas abriu 2ª edição da Comunidade de Leitores

Casa do Conhecimento de Boticas abriu 2ª edição da Comunidade de Leitores

CAPOLIB atribuiu subsídios aos criadores de pequenos ruminantes

CAPOLIB atribuiu subsídios aos criadores de pequenos ruminantes

Feira do Fumeiro de Montalegre realiza-se de 23 a 26 de janeiro

Feira do Fumeiro de Montalegre realiza-se de 23 a 26 de janeiro

XXII Feira Gastronómica do Porco – Balanço

XXII Feira Gastronómica do Porco – Balanço

XXII Feira Gastronómica do Porco – Animação

XXII Feira Gastronómica do Porco – Animação

XXII Feira Gastronómica do Porco – II Concurso de Melhor Chouriça e Melhor Salpicão

XXII Feira Gastronómica do Porco – II Concurso de Melhor Chouriça e Melhor Salpicão

XXII Feira Gastronómica do Porco – Confraria da Carne Barrosã em “Loas ao Fumeiro do Barroso”

XXII Feira Gastronómica do Porco – Confraria da Carne Barrosã em “Loas ao Fumeiro do Barroso”

XXII Feira Gastronómica do Porco – Abertura Oficial

XXII Feira Gastronómica do Porco – Abertura Oficial

Apresentação da XXII Feira Gastronómica do Porco

Apresentação da XXII Feira Gastronómica do Porco

Livro “A Senhora Professora” apresentado em Boticas

Livro “A Senhora Professora” apresentado em Boticas