Providência cautelar contra encerramento do Tribunal de Boticas
BOTICAS, 2014-05-06 15:19:41

Depois de várias contestações levadas a cabo pelos cidadãos do concelho e pela própria autarquia de Boticas contra a polémica Lei da Organização do Sistema Judiciário, que prevê a reorganização e o encerramento de vários tribunais, incluindo o Tribunal Judicial da Comarca de Boticas, um grupo de cidadãos botiquenses apresentou no final da semana passada uma Providência Cautelar de Eficácia de Acto de Regulação Provisória contra o Conselho de Ministros e o Ministério da Justiça, uma ação contra aquilo que consideram ser um verdadeiro atentado ao princípio de igualdade e ao princípio de proporcionalidade da população botiquense.

Este grupo de cidadãos, encabeçado pelo Presidente da Câmara Municipal de Boticas, Fernando Queiroga, integra também o Presidente da Assembleia Municipal, Fernando Campos, o vice-Presidente da Câmara Municipal, Guilherme Pires, a Vereadora Maria do Céu Fernandes, e os Presidentes das Juntas de Freguesia de Boticas e Granja, Sapiãos, Beça, Codessoso, Curros e Fiães do Tâmega, Alturas do Barroso e Cerdedo, Ardãos e Bobadela e de Vilar e Viveiro. Esta providência cautelar pretende contestar os intuitos da Lei da Organização do Sistema Judiciário (Lei nº69/2013), que prevê a extinção do Tribunal Judicial da Comarca de Boticas e a sua integração no novo Tribunal Judicial da Comarca de Vila Real, e do subsequente decreto-lei nº 49/2014, que procede precisamente à regulamentação dessa mesma deliberação.

Ainda no início deste ano, o Presidente da autarquia, Fernando Queiroga, tinha chamado à atenção para a ponderação errada de certos pressupostos usados como justificação para o encerramento deste Tribunal, nomeadamente no número de processos anuais que aqui dão entrada (que todos os anos têm sido superiores a 450, bem mais do que os 139 processos calculados pelo Ministério da Justiça). A isto acresce o visível desconhecimento das condições geográficas e de mobilidade da região, e uma completa desconsideração das condições socioeconómicas da população do concelho, que não terá como suportar o aumento exponencial de custos no acesso à justiça a que este encerramento obrigará. Isto porque a rede e os horários de transportes não atendem às reais necessidades da população, sobretudo da mais envelhecida, o que obrigará na maioria das vezes ao uso de táxi, uma despesa economicamente insuportável para grande parte da população no concelho.

Se atendermos ainda aos critérios estabelecidos para a extinção de alguns tribunais, vemos como este encerramento acaba até por ser injusto, uma vez que a maioria das localidades do concelho ficará a uma distância superior, no que concerne à oferta de serviços de justiça, aos 30km estipulados por este decreto-lei, que decreta também que sempre que isso aconteça, o tribunal pré-existente deve ser reconfigurado numa Secção de Proximidade. Ao contrário de outras localidades, em que o fator custo-distância foi tido em consideração, não foi previsto para Boticas a criação de outra instância que pudesse, de algum modo, atenuar os prejuízos deste encerramento. Para além do mais, o orçamento anual disponível para o funcionamento do Tribunal da Comarca de Boticas é bastante reduzido – em 2012 foi de apenas 10,500 euros, e os custos de manutenção são praticamente nulos, uma vez que estas instalações são propriedade do próprio Ministério da Justiça.  

Posto isto, é claro entender a motivação desta providência cautelar, uma ação que pretende, acima de tudo, assegurar e lutar pelos direitos dos cidadãos e contribuintes do município, direitos que estão constitucionalmente protegidos – como o é o acesso incondicional a serviços de justiça, e que mesmo assim correm o risco de virem a ser violados, algo inadmissível num Estado de Direito.

Tags

Documentário   Barragens Alto Tâmega   Cão de Gado Transmontano   Exposições   CIM do Alto Tâmega     Conselho Municipal de Educação   CIM do Auto Tâmega   Confraria   FestInvale   Boticas Parque   Semana da Leitura   Dia do Idoso   Livros / Lançamentos / Feiras   Natal do Idoso   Universidade do Minho   Heróis da Fruta   GDB   Defesa da Floresta   Janeiras / Reis  

Últimas

Assinatura dos Acordos de atribuição de subsídios às Juntas de Freguesia

Assinatura dos Acordos de atribuição de subsídios às Juntas de Freguesia

Assinatura dos Protocolos relativos ao Programa de Medidas Compensatórias do Sistema Electroprodutor do Tâmega

Assinatura dos Protocolos relativos ao Programa de Medidas Compensatórias do Sistema Electroprodutor do Tâmega

Queimas e queimadas proibidas durante o período crítico

Queimas e queimadas proibidas durante o período crítico

Câmara de Boticas vai passar a entregar o Correio em algumas aldeias do Concelho

Câmara de Boticas vai passar a entregar o Correio em algumas aldeias do Concelho

ARS Norte preocupada com a mobilidade na época do verão e preparação do inverno

ARS Norte preocupada com a mobilidade na época do verão e preparação do inverno

Programa de Dinamização da Restauração e do Comércio Local “Viver Boticas”

Programa de Dinamização da Restauração e do Comércio Local “Viver Boticas”

Atividades de Ocupação de Tempos Livres não se realizam este verão

Atividades de Ocupação de Tempos Livres não se realizam este verão

Piscinas Municipais Descobertas não abrem no verão

Piscinas Municipais Descobertas não abrem no verão